Follow by Email

terça-feira, 7 de junho de 2011

TODA NUDEZ SERÁ CASTIGADA ?

"A arte é a expressão da mente, nossa vida é nossa arte".
John Lennon



          Tenho a ubiquidade de estar em muitos corpos, e para que não paire quaisquer dúvidas, corpos femininos. Eu mesmo plasmei os lindos corpos ao reter na  memória mais profunda, estabelecí comigo próprio que essas imagens reais prosseguiriam inerentes, inclusive, para qualquer destino que a mim fosse dado. Poderiam até mesmo  tornarem-se cinzas, eu não sei como será. Porém elas me servem como bálsamo que foi exudado por flores e orquídeas das mais belas que meus próprios olhos presenciaram. Posso dizer, com tranquilidade, que ao me transformar da vida quem sabe para a morte, levarei comigo:  a imagem, o perfume, os sons emitidos e toda heterodoxia possível e imaginável. Meu périplo com tantas imagens guardadas em escaninhos que só eu sei, entretanto compartilho neste momento, ao ponto de vos conduzir até uma ideia mais nítida do que exatamente quero transmitir.



A poesia dos poetas que sofreram é doce e terna. 
E a dos outros, dos que de nada foram privados, é ardente, sofredora e rebelde.
Clarice Lispector



          A autotransformação que trago agora, após tanto tempo decorrido, para externar esses sentimentos em relação à beleza que ví, por várias vezes. É bem verdade, não acredito que o que vivi, seja algo comum, quero dizer, para qualquer um. Ora, eu fui agraciado... eu ví a beleza da  Criação. Por gentileza, não pensem apenas nos corpos nús que ví; por acaso vocês já viram um corpo andando sem cabeça?  Ou sem coração? Insisto, vocês já viram algum corpo que andasse sem pensamento? Um corpo andando sem pernas?



"Faço análise há trinta anos e a única frase inteligente que já ouvi do meu analista é a de que preciso de tratamento".
Woody Allen


           Me digam: É possível vocês fazerem andar,  aqueles que não querem andar? Adianta, por acaso, vocês empurrarem aqueles que não querem andar?!?



Minha saúde mental é perfeita, eu não evito o amor nunca.
Leila Diniz



A liberdade leva à desordem, a desordem à repressão, e a repressão novamente à liberdade.
Honoré de Balzac



           Eu ví as pétalas róseas entreabertas, ouví grunhidos de ais e suspiros quase mortais, sentí latejamentos, dormí respirando boca a boca o háilto vital, segurei nas belezas e tomei seu caldo; o sumo e o mel vindos de profundos outros abismos de deleite, de espasmos, de loucuras, entre choros, em meio a gemidos, resfôlegos, tremores. Fui fundo e agarrei cabelos e os retorci; puxei-os, e me esquecí de quantas vezes vislumbrei, para não dizer que delirei, e não foi pouco, ao resplandecer das alvoradas vindas das luzes dos  cabelos vistos. Me perdí no tempo e no espaço atrás dos mais belos cabelos, eu sempre imóvel.



A cama é um móvel metafísico.
Nelson Rodrigues



          Quebrei camas, fizemos tudo aquilo que o espaço da alcova ficou metafísico.  O Kama Sutra... perde!!! Enxerguei olhos, íris, me ví tantas vezes em retinas  recém lacrimejadas . Observei as tatuagens dadas por Deus ao esculpir as tez, peles sem palavras... Pesquisei sentimentos, estudei modos, maneiras de estar, verifiquei de perto psicologias, peguei  almas, analisei peculiaridades.  Fui cardiologista ao mexer com corações, usei o bisturí e fiz cirurgias quiméricas.  Ousei tantas deserções. Me resignei por vezes. Furioso fui dissecando contenciosas situações de impasses. Conseguí  a tanatoscopia de seres vivos, assim ressuscitei gente que estava no túmulo da Vida. Fiz a teofania, a liturgia e a telúrica arte de amar.



Tive a sensação de vislumbrar a dimensão do Mundo
quando experimentei ver pelos teus olhos
Joana D'Arc



          Também não sou pretencioso querendo a emulação do  quer que seja, se por acaso estou abrindo um pouco do que há no meu escaninho guardado há sete chaves nas profunidades oceânicas do meu ser, tenham a convicção: É por puro amor à arte, e nada mais.



Não sei se sou autoritário. 
Durante as filmagens, sou decerto uma pessoa diferente, sem tempo para delicadezas. 
Mas será que, numa operação, o cirurgião diz: poderia me passar o bisturi, por favor? 
Muito obrigado. Claro que não. Ele só diz: bisturi!
Roman Polanski

Nenhum comentário:

Postar um comentário