Follow by Email

terça-feira, 31 de maio de 2011

QUERO FALAR DOS MEUS SENTIMENTOS

AO PERDER A TI

Ao perder a ti, tu e eu perdemos
Eu, porque tu eras o que eu mais amava
E tu, porque eu era o que te amava mais
Contudo, de nós dois, tu perdeste muito mais que eu...
Porque eu poderei – quem sabe – amar outra como amava a ti
Mas a ti, com certeza, não te amarão como te amava eu!
Ernesto Cardenal
        



            Passei a vida toda te esperando, hoje já estou do outro lado do cabo da boa esperança e continuo com a certeza que você faz parte da minha vida. Sempre tive esperança, tenho convicção que você é a pessoa certa para meu encontro com o amor e a razão. Pra quem viveu tanto como eu vivi,  não foi fácil, não é fácil e decerto não será fácil viver a vida até o dia do nosso encontro. 
          Vivi a junventude com tudo que se tem direito sem contudo ter deixado seu espaço; sua coexistência, talvez porisso não selei compromisso definitivo com ninguém, justamente  por causa do meu sentimento  profundo guardado para ti. Vivi como todo jovem cheio de energia, fui  fundo... gostei de muita gente mas não amei profundamente, poucas vezes pronunciei : eu te amo. Aquilo ficava  remoendo  e não saía. Tive muitas mulheres  todavia com nenhuma mantive aquele compromisso estável de quem naturalmente ama, só por causa de você, muito embora ainda não tivemos nossa ocasião, eu reservei todo o meu sentimento de amor para você.




Eu sou apenas um pobre amador apaixonado,um aprendiz do teu amor.
Tom Jobim
          A partir dos trinta anos tudo apenas se acelerou; mais romances..  É verdade,  tive muitos romances. Encontrei mulheres belas e preciosas, mas não amei nenhuma na acepção da palavra. Também faço questão de deixar bem claro: Não vivi a artificialidade, não fiz de conta, procurei não enganar ninguém, simplesmente gostei, mas não amei. O Amar é forjado para alguns, para mim não, e não. Também  deixo claro que não poderia esperar numa clausura, sem ter colecionado tantas histórias de "amor", muito embora nenhuma delas tenha sido amalgâmica do amor verossímel com  o inverossímel. Sei que meu amor por você não foi como o de Penélope por Ulisses na epopeia "A Odisseia" escrita por Homero (enquanto Ulisses viajava por décadas mundo afora, sua mulher Penélope o esperou, sem nunca acreditar que ele tivesse morrido, muitos pretendentes quiseram que ela abandonasse essa ideia e casar-se novo, porém ela lhes dizia que se casaria apenas quando tivesse terminado uma tapeçaria que estava fazendo, mas todas as noites desfazia o trabalho feito durante o dia, dessa forma pôde manter todos os pretendentes esperando durante 20 anos, até a volta de Ulisses).



Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura.
Friedrich Nietzsche
         



            A vida para mim já estava "patinando", não  fazia sentido o "mesmismo" e daí ocorreram os fatos mais marcantes do percurso dos meus 30 anos para os 40 anos. Ao mesmo passo que perdí meus três entes mais queridos ( nasceram para os céus  de uma  só vez:  Minha avó materna e meu pai, detalhe: na mesma noite, ou seja, tivemos dois velórios  juntos e ao mesmo tempo. Menos de duas semanas depois foi a vez do meu avô materno); ganhei meus três entes mais queridos ( meus três filhos). Mas ainda também sou muito "rico"  porque tenho mãe. E tenho família. Me senti sempre agraciado pela Misericórdia Divina e cheio de dádivas.

Tudo o que sabemos do amor, é que o amor é tudo que existe.
Emily Dickinson
          Tive outro tanto de mulheres maravilhosas, vivi mas sentia algo que sinto até hoje, vivia como se tivesse uma reserva, como meu amor ainda estivesse por chegar. Lembro de Brecht quando escreveu que trocou mais de mulheres do que de sapatos, mas talvez ele tivesse motivos muito mais fortes dos que os meus, afinal de contas ele viveu entre as duas Grandes Guerras Mundiais, tanto que nesse mencionado texto ele repete várias vezes "eu vivo num tempo sem sol".  O próprio Vinicius de Moraes teve tantos casamentos e no entanto, não sei muito bem, mas me parece que morreu à míngua , sem a presença do seu amor, sim aquele que ficasse até último instante a beira do leito da morte. Não gostaria que nada disso acontecesse comigo. Agora estou quieto pois sei muito bem que nosso encontro será como sentenciou o poetinha "a arte do encontro". Nem tampouco espero uma  pedra "no meio do caminho" tal qual a Drummondiana.
         Nas possibilidades Kafkanianas de tudo isso não ser metamorfoseado ou também não passar de um infindável  "processo". Não.
           Eu enxerguei o anteprojeto das nossas vidas.



       
Aquele que conheceu apenas a sua mulher, e a amou, sabe mais de mulheres do que aquele que conheceu mil.
Leon Tolstoi



          Fiz muitos registros do meu perfil sentimental  e psicológico porque receiava esquecer meus propósitos, tinha medo é verdade, não queria desistir do meu amor por você que consegui  conduzí-lo até hoje, senão vejamos:


Não se pode amar ou odiar quem não se conhece ainda.
Leonardo da Vinci



          Conforme bem demonstram os traços que fiz de próprio punho, pode-se observar com nitidez minha tenacidade sobre o que digo a respeito do meu âmago, observe bem:



Cada qual sabe amar a seu modo; o modo, pouco importa; o essencial é que saiba amar.
Machado de Assis
          


          Cheguei mesmo ao ponto de riscar o projeto da nossa moradia, pensei muito, conseguí enfim desenhar como seria nossa casinha, veja:




Amar é mudar a alma de casa.
Mário Quintana




Se você sabe explicar o que sente, não ama, pois o amor foge de todas as explicações possíveis
Carlos Drummond de Andrade
           




            Ultimamente a esperança que carrego me conduziu ainda a relacionamentos que não tiveram a marca da permanência, da estabilidade. Devo destacar que errei por muitas vezes, fiz a leitura do irreal ao pensar muitas vezes ter te encontrado. O baque todas as vezes foi certo, o choque da desilusão ao conferir que não estava diante de ti mas de outra pessoa. A ânsia de te ver, te abraçar e simplesmente te amar;  estando inteiro, integralmente presente, também me fez incorrer em incoerências, descompassos, enfim, em desacertos. Mas aprendi bastante, aprendi inclusive a fazer a litania por ti. Não  me importo em relação ao tempo, principalmente esse cronometrado pelo homem. Me interessa sim, te achar no tempo certo, na hora certa, no lugar certo, e te dizer: eu te amo.



Quem de dentro de si não sai, vai morrer sem amar ninguém...
Vinícius de Moraes






CRÔNICAS DA AUTOBIOGRAFIA - SEGUNDO CAPÍTULO

Maria Dirce Cavalcanti de Lima - minha mãe




           Me lembro como hoje, estava brincando com algumas ferramentas velhas do meu avô, precisamente com um martelo e alguns pregos enferrujados e, na tentativa de fazer um "carro de mola" a partir de uma lata de óleo vazia, foi quando de repente me dei conta: cadê o prego que estava justo na minha mão?!? Sumiu!!! E minha prima Maildinha viu aquela cena, eu era bem pirralho,  e não deu outra! Veio à tona nossa paranoia: Você engoliu o prego! Gritou Maildinha. E a correria foi grande, ela me pegou e me colocou no colo a atravessou a avenida principal da cidade, muito aflita ela repetia sem parar: Minha Nossa Senhora! Logo logo chegamos na Clínica do Dr. Giovani, meu tio médico. A atendente e enfermeira Ambrosina foi logo me colocando na sala de tio Giovani, de certa forma era sempre encantador ingressar naquela atmosfera médica, especialmente numa cidade do interior, alí foi instalado o primeiro aparelho de Raio X da região, era coisa do outro mundo, fazer uma "chapa" como falavam os matutos. Havia no birô de titio aquela peça de vidro que serve de peso para os papéis não voarem, me chamava atenção o artefato transparente oval e cheio de cintilantes cores em meio ao escrito DR.  GIOVANI GOMES DE LIMA - ClLÍNICO GERAL Sempre,  todas as vezes que estive ali fui recebido com alegria e carinho. Artigo número um dos exames: testar os reflexos. Titio usava aquele martelo da cabeça redonda de borracha verde (um pouco dura a borracha) e mandava: sente-se... deixe as pernas bem soltas, e téin! Dava uma marteleda e daí era aquele pontapé, ele sorria e asseverava: tá bom, muito bom. Então pegava o estetoscópio colocava na altura do coração, auscultava. Depois mandava dizer: diga 33... novamente diga 33, soletrava bem devagar 33. Bom, o prego engolido não passou de  uma "viagem no molho do sarapatel". Graças a Deus!



          À respeito de  Maildinha preciso contar uma ocorrência, na verdade foi uma "trela" que fizemos juntos, eu e meu irmão Júnior, nossa prima era colegial e nós éramos ainda crianças. Meu irmão inventou de colecionar selos, sim virou filatelista da noite para o dia, e Maildinha tinha muitas cartas muito bem guardadas no  seu guarda-roupas. Meu imão então fez um plano para "roubar" as cartas, ou melhor, os selos(só interessava os selos mesmo. Ele desenvolveu uma "técnica" e chamava-se "tirar no bafo", colocava o envelope próximo de uma chaleira com água e na medida que ia fervendo  a água e subindo o vapor ele aproximava a carta da "fumaça" e logo logo o selo despregava). No plano eu fiquei encarregado de ser o "olheiro" e combinamos o seguinte: Se viesse alguém,  eu  lá do corredor emitiria  um sinal  de alerta que chamávamos de "qui-quit" daí ele  prontamente ele "abortava" a ação e disfarçava. Aconteceu que dentro do guarda-roupas da nossa prima; como era  muito escuro ,  meu irmão também inventou de acender uma vela para ver se achava as cartas; não deu  outra... o incêndio comeu o guarda-roupas  e mais algumas peças do quarto de Maildinha.   



Vovó Nazinha, meu pai e minha irmã Fátima


          A casa da minha avó paterna NATÁLIA FLORENTINA DE LIMA, ou simplesmente D.Nazinha como era conhecida na cidade, ficava bem ao lado da clínica de tio Giovani, numa localização privilegiada, bem em frente à Prefeitura de Garanhuns (hoje é um hotel  de 4 andares, sendo uma farmácia embaixo.  E onde  funcionava a clínica médica do meu tio, ao lado na esquina, atualmente  é um restaurante).  A casa de Vovó Nazinha era encantadora e tinha aspectos inesquecíveis, especialmente para uma criança relembrar, coisas como o cheiro da  casa por exemplo. A  limpeza era impecável.  Nunca fui na casa de vovó para  não ter o sabonete Phebo no banheiro social para lavarmos as mãos. Quartos com móveis lindos, esses que misturam madeira de lei com pedra alabastro. Os Oratórios da casa chamavam atenção. A cozinha era demais! Nunca fui na Itália, mas tinha algo de italiano alí... tinha ares da imponência e reminiscências dos tempos da opulência rural. Casa grande que ía de um lado a outro do quarteirão.


A casa de vovó ficava extamente nessa localização

          Minha vó tinha o costume de ficar sentada na varanda, especialmente aos domingos, usava uma almofadinha para apoiar o braço na janela, fazia questão de cumprimentar a todos que passavam. pela calçada. Vovó Nazinha nunca estava de mãos vazias,  quando chegávamos ela logo corria trazendo finos chocolates.



A feira de Garanhuns naquela época
           Ela também tinha um costume muito bonito, todos os dias de sábado, quando acontecia a   feira livre atraindo muita gente de todas as cidades  circuvizinhas: Vovó colocava na calçada, em frente à sua casa, duas jarras grandes com água mineral e ficava sentada  num banco,  com um caneco de aluminío na mão oferecendo água para quem quisesse matar a sede, qualquer um, ela não fazia distinção de classes, isto era uma marca registrada de Vovó Nazinha.  Foi uma grande lição: ainda hoje não sei negar um copo d'água a quem quer que seja. Vovó tinha um amor incomensurável, gostava quando meu pai me pedia para  eu "dançar gafieira" em plena sala principal da casa, quanto mais gente tivesse como plateia melhor o "show", eu gurí fazia uns passinhos na sala e jogava a perninha pra cima, vovó morria de rir. Ela adorava pegar minhas mãos, olhava, olhava, e decretava dizendo: mãos de cirurgião!


Na casa da fazenda ver-se o Ford 1928 na garagem

Meu avô paterno POSSIDÔNIO GOMES DA SILVA comprou um Ford "bigode" em 1928, o carro foi para Garanhuns de trem porque não havia rodovia que ligasse   a cidade à capital Recife. O gasolina se comprava de lata e meu avô mandou fazer uma estrada dentro da  sua propriedade rural. Dizem que naquela época em Recife, só tinha 2 automóveis e eles bateram no Derby! Contam que aconteceu aquele "vacilo" ao se defrontarem num cruzamento, quando ambos deram a arrancada de  uma só vez...pô!

O Fusca era exatamente assim
       

          Tenho grandes recordações do meu pai, homem singular DJALMA GOMES DE LIMA , filho caçula de uma família de um total de 10 filhos, sendo 5 homens: Gerson, Arnaldo, Giovani, Augusto e 5 mulheres: Naci, Neuza, Nice, Isaura e Tereza. Me lembro bem quando eu tinha cerca de 5 anos(a memória retida infantil naqueles tempos, no interior  cheio de tranquilidade,  me parece que era mais apurada) quando papai comprou um Volkswagen zero km, ano 1964.  Fomos para Lagoa do Ouro(era praticamente uma vila, a rua principal de barro batido), os matutos e os meninos dali ficavam horas observando o "bólido"(como diriam os portugueses), observando o automóvel "moderno", aquilo chamava atenção. Às vezes íamos para fazenda e papai me levava na garupa do cavalo, ele tinha o costume de sempre levar consigo uma bolsinha contendo um pouco de açúcar e uma latinha pequena de Nescau, assim como um caneco grande de alumínio, ele preparava algo muito original: um certo "milk shake" de chocolate da hora! Colocava o açúcar na caneca e adicionava o Nescau,  e  ordenhava uma vaca leiteira que estivesse em pleno pasto,  fazendo que o jato já fosse direto no "preparado",  nem precisava mexer, ficava uma delícia! Um achocolatado morninho e espumante  na hora!


Fazenda Cacimbas - meu pai




           Meu pai era extremamente tradicional, não falava de política, amava assitir o Repórter Esso todos os dias às 20:00h,  quando tocava aquela musiquinha da vinheta; não tinha apelo: hora de dormir!(provavelmente para não atrapalhar a concentração no noticiário),  por falar em TV eu "viajava" naquelas válvulas enormes  que mais se pareciam um "candeeiro" bem lento, era uma "data" para  ligar  a TV e aquela coisa aquecer  até aparecer a imagem. Todas vez que ele me encontrava; eu pedia a benção, nós trocávamos um beijo na face, e ele não lagava minha mão enquanto não terminasse de proferir bem baixinho no meu ouvido as seguintes palavras:















Papai numa das fazendas da família nas vizinhanças de Garanhuns - PE.
   
          A vida inteira papai carregava consigo: em primeiríssimo lugar; "sua excelência  a carteira de  cigarro " e o fósforo, um lenço, um pente, um espelhinho daqueles redondos pequenos,  colírio e não faltava dinheiro trocado no bolso. Tinha altas manias, por exemplo: sempre usou Leite de Rosas como desodorante, sempre usou Trim para pentear o cabelo, sempre consumiu Nescafé (desde que lançaram o produto), o café solúvel era justamente para evitar qualquer possibilidade dele não tomar café, quer dizer: podia faltar tudo...menos o cafezinho e o cigarro.  A única coisa que ele sabia fazer na cozinha era fritar ovos "mexidos", nisso era especialista, nunca ví igual. Se porventura não tivesse café pronto na garrafa térmica (ele tomava, pelo menos três por dia), aí entrava em ação a alternativa: o Nescafé. Simplesmente, ele ia no banheiro, já levando consigo uma xícara grande com açúcar e o pó do café granulado já dentro,   então ele ligava o chuveiro Lorenzetti(daqueles "das antigas" de metal mesmo, todo blindado) no ponto "inverno" e abria a torneira no mínimo...começava o túmmm do chuveiro a água fumaçando ia pingando; era só aparar a água "pegando fogo" e pronto! Eu gostava de vê-lo dando umas risadas(ele era mais para  o tipo "zangado"), então eu "debochava" quando ele permitia,  lógico. Eu falava assim: papai eu já sei seu último pedido quando  o senhor estiver para receber a Extrema Unção e disserem : faça seu último pedido... "dois dedinho" de café e um cigarro no bico...ele morria de rir!!!









Fotografia  da  Formatura em Medicina Veterinária






IMAGENS PELA ORDEM:


Di Cavalcanti
José de Barros
Frans Krajcberg
Cícero Dias

domingo, 29 de maio de 2011

VERSOS DE MAIO - OS PÁSSAROS AINDA CANTAM

Eu gosto de escutar. Eu aprendi muito escutando cuidadosamente. A maioria das pessoas nunca escuta.
Ernest Hemingway


          Os pássaros só cantam quando ouvem os homens cantando, à semelhança  das plantas que só crescem quando veem outras plantas, significa dizer que se colocarmos um vegetal isolado, ele morrerá, mesmo que esteja em solo fértil e com as condições climáticas propícias. Uma planta precisa mirar outra planta para se desenvolver.
          Diz um antigo ditado: ser sábio é viver distante dos problemas do Mundo.
A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.
Fernando Pessoa
          Mas ninguém quer saber de nada,  falando a grosso modo, ora se para  viajar de avião bastam algumas providências e pronto!  Em poucos instantes se está a bordo de uma aeronave, literalmente voando. Não é preciso pensar e repensar que o Homem copiou a ideia de voar dos pássaros. Praticamente quase ninguém quer saber porque os pássaros voam, é muito mais fácil simplificar tudo e simplesmente dizer: É natural!!! Se alarga mais ainda nossa distância dos pássaros na medida em que as cidades vão crescendo, e esse crescimento tem sido avassalador, como é sabido e consabido;  a maioria esmagadora das pessoas - pasmem, não tem absolutamente condições para ficar "perdendo tempo com bobagens porque tempo é dinheiro". Me diga só: Quem vai ficar pensando em passarinhos?!?  Quem vai ficar pensando na vida dos pássaros? A três por quatro as pessoas irão retrucar de imediato: "Vou tomar conta da minha vida! Isto sim, é o que devo fazer!" Quem quer saber desse papo tão chato?!? Saber sobre a fragilidade da reprodução dos passeriformes? Que eles tem quatro dedos, sendo três para frente e um para trás? Saber o que são as nove ou dez remiges primárias e as doze rectrizes que formam suas asas? Para "nós"  no geral:  tudo que tiver penas são pássaros, e acabou.


Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória.
José Saramago

  Nas rodovias brasileiras: especialmente na Região Nordeste é muito comum se encontrar à venda nos acostamentos,  espetinhos de passarinhos, tem lugares que você compra nas margens das estradas, por exatos R$ 2.00(dois reais) um espetinho contendo dez "arribaçãs" já assadinhas.  Avoantes, como costumam chamar os ex-matutos. Por que ex? Não existe mais matuto, tem gente que se faz de matuto, do mesmo modo que se faz de besta p'ra comer o cú do coveiro, perdão mas  isso é outra história, pois aqui a conversa também é outra;  queremos falar dos pássaros. Comer sim, pensam os simplórios. Para quem vende,  o objetivo também é o mesmo "forrar a barriga". Afora esse imediatismo de pouco caso, a maioria da população ainda acredita que pássaro foi feito para se comer rapidinho como tira-gosto, ou para se viver  "cantando" preso em gaiolas. Muito embora hajam dispositivos legais que proíbam essas práticas. Em suma: a extinção veloz da nossa fauna continua, sem falarmos da bio-pirataria(fazendo um parêntesis,  esta semana foi fragrado pela Polícia Federal em um aeroporto brasileiro, um traficante com vários ovos escondidos na cintura de diversos pássaros, ele iria embarcar para a Europa). De verdadeiros "monstros" que fazem "rinha"(briga de pássaros) para fazerem apostas. E muitas outras atrocidades que,  no fundo no fundo, no aspecto da maldade humana, em nada se diferencia do feito intitulado o Holocausto.


Mau Despertar

Saio do sono como
de uma batalha
travada em
lugar algum

Não sei na madrugada
se estou ferido
se o corpo
tenho
riscado
de hematomas

Zonzo lavo
na pia
os olhos donde
ainda escorre
uns restos de treva.
Ferreira Gullar



            Quando eu era criança ficava folheando as revistas : "Manchete" ,  "O Cruzeiro"   e "Fatos & Fotos" era comum  ver naquela década de 60, a quantidade de pessoas que iam de todas as partes do mundo com destino à África ,  vestidas no estilo Safári  e ficavam pousando ao lado de :  Elefantes, Leões, Tigres e todo gênero de animais  abatidos com rifles de grosso calibre equipados com luneta telescópica , sempre acompanhadas de um "esquife" de caçadores africanos especializados.  Ainda naquela época  o fino da bossa para as mulheres era usar um casaco de Vison, ou de outras peles de animais. Homens usavam sapatos e pastas de Executivos confeccionados com couro de Jacarés. As Touradas na Espanha são atrações turísticas até hoje, alí na arena se faz aquele "espetáculo de mal gosto" que a plateia assiste aos gritos de "olé! olé!"  vendo os animais serem sacrificados utilizando-se em graduação os intrumentos perfuro-cortantes até chegar-se à espada conduzida sob o manto vermelho do toureiro.  Aqui no Brasil não havia Rodeios, mas copiamos a prática norte-americana, quem conhece sabe que é a amarração com força dos testículos do boi  é que faz ele dar puladas, e ainda os choques elétricos com sofisticados instrumentos manuais enquanto o "bicho" está preso dentro de uma  de uma estrutura fechada de ferro. Também não se enganem ; o que  faz o boi disparar ao ser aberto o portão que o prende nas tão conhecidas por nós Vaquejadas, são os choques elétricos que  lhes são dados por um instrumento manual que lembra um cassetete, sem falar nas derrubadas pelas puxadas pelo rabo que em muitas vezes deixam-no inválidos,  sob os aplausos e gritos "valeu o boi !!!". 




Seja qual for o país, capitalista ou socialista, o homem foi em todo o lado arrasado pela tecnologia, alienado do seu próprio trabalho, feito prisioneiro, forçado a um estado de estupidez.
Simone de Beauvoir
         

          Feiras de Passarinhos praticamente existiam uma em cada bairro, em todas cidades do país, vendia-se passarinhos e outras espécies silvestres  em larga escala "a troco de banana". aliás , existiam?!? A Pesca da Baleia também era um atrativo turístico em Cabedelo-PB. que resumia-se em ver a chegada das baleias  rebocadas, ainda com vida,  pelos barcos pesqueiros japoneses(autorizados à época, a pescarem em águas brasileiras por nossas autoridades)  e diante de uma arquibancada onde os turistas pagavam para sentarem alí para  assistirem o "corte". A   Farra do Boi em Santa Catarina, ainda hoje prossegue apesar de toda repercussão negativa.

A velha mão
segue traçando versos
para o esquecimento.
Jorge Luis Borges
         

          Na Amazônia quase não restou um peixe-boi devido à transformação em centenas de milhares de pequenas latas de banha que eram vendidas  nas feiras  livres como  sendo "miraculosas" para cura de inúmeras doenças. As brigas de galo, também havia  nos subúrbios inúmeras rinhas para apostas a dinheiro, havia?  Nos carvavais de outrora, todas as plumagens para as fantasias eram reais, aves como os pavãoes e tantas outras eram depenadas anualmente, muito tempo depois foi proibido uso, permitindo-se apenas penas artificiais. No Nordeste brasileiro quase foi extinta a espécie dos Muares: Jegues, Jericos, Jumentos,  pois um grande frigorífico localizado em Pernambuco, abateu centenas de milhares desses animais para vender a "charque" o que não é e nem era permitido por lei. Enfim, se formos falar de outras práticas...


O amor atrai amor.
Herman Hesse



Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Renato Russo



          


Eu adoraria pintar como o pássaro canta.
Cllaude monet
          


            Prosseguir com o relato do massacre praticado pela Humanidade contra os animais, no mundo inteiro, é assunto quase interminável, e não é este nosso propósito aqui. Falo do canto dos pássaros, falo do choro dos peixes, falo da insônia dos animais. Faço apologia aos homens, aliás com letra maiúscula; Homens. Sim, Homens que doaram suas vidas em favor de uma CONSCIÊNCIA, em favor de uma EDUCAÇÃO, enfim Homens que lutaram por um mundo com FUTURO.  Homens que tiveram a CORAGEM de lutarem em favor dos animais.




Como me sinto? Como se colocassem dois olhos sobre uma mesa e dissessem a mim , a mim que sou cego : isso é aquilo que vê , essa é a matéria que vê . Toco os dois olhos sobre a mesa , lisos , tépidos ainda , arrancaram há pouco, gelatinosos , mas não vejo o ver . É assim o que sinto tentando materializar na narrativa a convulsão do meu espírito , e desbocado e cruel , manchado de tintas , essas pardas escuras do não saber dizer , tento amputado conhecer o passo , cego conhecer a luz , ausente de braços tento te abraçar.
Hilda Hilst





          Quando qualquer ser humano maltrata  qualquer animal  ele está  ferindo, em primeiro lugar: O Criador. E imdiatamente a sí próprio. Do mesmo modo quando se dá o derespeito pelos DIREITOS HUMANOS todos, sem exceção pagam por isso.  Os pássaros ainda cantam e ainda há tempo para escutarmos seu canto, não se enganem: eles são incomparavelmente mais evoluídos do que nós.




Amigos, peçam alegria a Deus. Sejam alegres como as crianças e como os pássaros no céu.
Fiódor Dostoiévski

Escutai, pois! Se as estrelas se acendem é porque alguém precisa delas. É porque, em verdade, é indispensável que sobre todos os tetos, cada noite, uma única estrela, pelo menos, se alumie.
Wladimir Maiakowski

sábado, 28 de maio de 2011

VERSOS DE MAIO - DA MINHA VISTA PARA O MAR

Em cada um de nós há um segredo, uma paisagem interior com planícies invioláveis, vales de silêncio e paraísos secretos.
Antoine de Saint-Exupéry




          Nada, absolutamente nada pode descrever a paisagem que vejo daqui desta janela, não é possivel transcrevê-la, não adianta fazer uma pintura, nem mesmo uma fotografia é possível captar essa imagem. Poderia escrever,  usando todas as palavras, contudo, não conseguiria expressar o que vejo... Mas se você estivesse bem aqui ao meu lado, talvez pudesse enxergar, ao menos esse ponto de semelhança: por que simplesmente é indescritível. Mas a sensação de estarmos lado a lado mudaria o panorama,  claro que sim porque quem realmente vê, não são apenas os olhos.




          Quem mais enxerga é o coração ou o pensamento? O coração tão dito e redito, sim a representadtividade que traz consigo: o coração pura e simplesmente tem uma ótica decodificada do sentimento pelo sentimento, mas não é a esse que me refiro!  Para se sentir é necessário mais do que o coração, mais do que o sentimento; é preciso bagagem, experiência de vida, sim,  ter conhecimento. Não é necessário ser intelectual para se ter cultura, e não é  imperativa a exigência de ter lido toda literatura, ter feito academia, ou coisa que o valha. Não é essa  bagagem que serve de condição "sine qua non" para se  "ver" simplesmente.  Se repetirmos que é pelo amor que de fato  vemos, essa maneira já também tão  desgastada não exprimirá o significado de forma alguma.





          Você e eu nesta janela vemos juntos à paisagem,  que não é nem do amor vindo do coração, nem do sentimento vindo do pensamento. Estamos diante do mar, do inexprimível mar sob o céu e a cada instante a mudança ocorre... as cores, a posição das nuvens, as marolas...o surgimento da lua e a sombra formada pelo negro lunar.  Estamos bem juntinhos enamorados pela contemplação...Estamos aqui mas tem outro significado, muito mais profundo do que: O amor; o Sentimento e o Pensamento. Talvez você vai se arvorar a dizer: já sei, já sei, a Paz...   De pronto também lhe digo: não é a Paz,  apenas. E outras tantas opiniões decerto surgirão: É a presença de Deus ou ..."é algo transcendental" e por aí vai. Mas afirmo com convicção: não são somente  esses argumentos, tem mais coisa...





Visão sem ação é sonho. Ação sem visão é pesadelo.
Provérbio Chinês

          


              Urbanóides. Socialistas. Andróides.  Esquerdóides. Hackers.  Comunistóides. Capitalistas. Radicalóides. Provocadores. Democráticos. Debilóides. Notívagos. Hippies. Naturebas. Droganautas. Monomaníacos. Lendários. Enrustidos. Alienados. Góticos. Metaleiros. Bregas. Punks. Abilolados.  Darks. Grunges. Descolados. Nerds. Loques. Pirados. Históricos. Ripongas. Caneiros. Biriteiros. Artistas. Figuras. Caciques. Existencialistas. Sacanas.  Românticos. Falsários. Rastafaris. Maoístas. Marxistas. Trotskistas. Ninfomaníacos. Pseudo-Intelectuais. Literatos. Ordinários.  Poetas. Xiítas. Escritores. Charlatões. Loucos.
T.G.L.S.As. Travecos. Humanóides. Lunáticos. Neuróticos. Porra-Loucos. Estelionatários. Machões. Criminosos. Psicóticos. Ladrões. Nazistas. Mentirosos. Cretinos.  Facistas. Reacionários. Conservadores. Revolucionários. Assassinos. Ditadores. Depressivos. Esquizofrênicos. Analistas. Religiosos. Amantes. Delirantes. Agitadores. Ecológicos. Energúmenos. Problemáticos. Fanáticos. Pederastas. Pseudodófobos. Filósofos. Grandes. Cachaceiros. Salafrários. Bêbados. Estelionatários. Palhaços. Saudosistas. Politizados. Prostitutas. Coroas. Sapões. Cornos. Fofoqueiros. Invejosos. Roqueiros. Psicodélicos. Malucos.
Ambientalistas. Futuristas. Festivos. Gandaeiros. Odaras. Tabacudos. New Waves. Malandros. Peniqueiros. Prepotentes. Valentões. Papas. Gigolôs. Mangue Beats. Albardes. Cafonas. Muambeiros. Cabeças. Patricinhas.  Carentes. Mauricinhos. Medalhões. Braulios. Entendidos. Gringos. Undergrundis. Músicos. Abiscoitados. Moicanos. Surfistas.  Argonautas. Delétions. Hip Hops. Assumidos. Cafajestes.  Cocaleros. Boysinhas. Sado-Masoquistas. Vanguardistas. Esperantistos. Alternativos. Santinhos. Metódicos. Swingueiros. Funkeiros. Rappes. Afeminados. Baquiados. Andróginos. Dependentes. Carnavalescos. Covardes. Palhaços. Bokomôkos. Hangs Tens. Bonecos. Paraíbas...etc. etc.  



Quando eles passam não olham para minha janela, nem olham para o mar, simplesmente eles passam...
Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome.
Clarice Lispector






IMAGENS PELA ORDEM: 
Siron Franco  
AFP - Fotomontagem
Rodolfo Mesquita
      

quarta-feira, 25 de maio de 2011

VERSOS DE MAIO - MINHA HERANÇA




Minha Herança



           Nunca conhecí uma história bonita de Inventário advindo do Direito das Sucessões, do mesmo jeito não conhecí nenhum Homicídio  que tenha sido interessante do ponto de vista humanitário. Há milênios o ser humano indaga: Qual será o meu legado? Ao mesmo passo, os ainda "vivos" questionam: Qual será a minha herança? Ou "o que receberei de herança?
          Entes ficam, quase todos,  diante do último desejo terrestre. Num transe os viventes vão à "morte" e ressuscitam valores, pendências de coisas desse plano terráqueo abrindo tergiversantes contenciosos com a alma. Ao invés de saírem da morte para a  vida, não;  se materializam com a morte, e vão fundo ao túmulo.  Buscam no além, vão muito distantes atrás  das razões tão próximas quanto um palmo adiante do nariz. A natureza humana já desgastada pelo ardil... insiste com o embuste e se agarra  mesmo sabendo estar na via contrária da  procura por Deus, buscam  aonde Ele não está.
          Raramente se "pensa" em voz alta: A quem pertence todas as coisas; visíveis e invisíveis?
          Não há tempo para reflexão, para isto o precioso ócio não funciona, não pode funcionar, aliás não tem função alguma. A maioria vive como  morto-carregando-o-vivo e se coloca diante dos mundo como se, de fato, já estivessem mortos, talvez por esta razão pensem incessantemente: A herança... Ninguém quer saber que não passamos de menos de um segundo diante dos bilhões de anos luz da Criação. Muitos até acham que o mundo é uma criação puramente humana e sendo assim a ótica deve ser esta: todas as coisas da Terra pertencem aos homens, muito embora a retórica coma no centro... Os discursos são ornamentados com chavões que funcionam  com a perfeição de um relógio suiço. Confudem muito mais ao "refletirem" a respeito do poder humano sobre a vida; já que para se derrubar uma árvore, é só querer!  Na mesma linha de raciocínio: para se matar qualquer animal ou ser vivente depende-se única e exclusivamentre da "cuca",  do que "dá na telha" do "pensante". Não sei como  a Sociologia ou a Antropogia tem  incluído esses "seres", talvez chame-os de ignorantes, semi-analfabetos, e por aí vai... Mas é fato. Decerto a História consiga demonstrar um pouco do porquê. As Ciências Sociais tem inúmeras explicações para o fenômeno, ou melhor, para a "pouca fé" segundo prisma da Religião. Sob o ponto de vista das Ciências Jurídicas, pouco  interessa, equivale dizer: a presunção  de que todos são iguais perante a  Lei é absoluta, muito embora todos saibam que as diferenças econômicas e sociais são enormes.




            Desta feita a população de seis bilhões de seres humanos segue sua trajetória como o gado quando caminha para o matadouro, a inexorável caminhada sobre o planeta vai adiante...Pensamos no aprendizado: "Não se confunda com a multidão",  realmente o ajuntamento das pessoas não tem vontade! É !!! Não tem vontade própria, portanto não tem querer, significa: Não sabe o que quer! Todos rumam na  mesma direção. Será que não surgirão os loucos? Aqueles que ousam desafiar a ordem e o sentido do caminhar?!? Não aparecerão os revolucionários capazes de dizerem  com convicção: o caminho está errado!!! Os audazes, os astutos:  silenciarão? Ninguém ousará? Ninguém absolutamente ninguém terá a sobriedade para enfrentar  todos?!? Ninguém ousará pensar diferente?





O EXPRESSO DA MEIA-NOITE


O momento da visita da namorada através de um vidro(na cadeia)
Faltará coragem para se fazer o caminho contrário a exemplo daquele "louco" que agiu  dentro de um Manicômio judiciário nos confins da Turquia,  no filme de Alan Parker "O Expresso da Meia-Noite"?!?
(O filme trata da visita de um estudante americano (John Hurt) que vai conhecer a Turquia, na volta ele "inventa" de trazer haxixe consigo agarrado ao seu corpo com esparadrapo, ao  embarcar no aeroporto é preso em flagrante. Vai preso  e é  condenado a 30 anos por tráfico de drogas ao invés de simples porte. Vai para uma prisão degradante. Mas a visita da namorada dele faz com que ele "renasça" por dentro e consiga pensar diferente e  "dar o pulo do gato" para a liberdade.





PAPILLON


Meu Deus! Não existe mais nenhum  homen capaz de improvisar uma "canoa" e atirá-la ao alto mar e dalí partir para a liberdade como ocorreu em "Papillon"?
(O filme é rodado num cenário de uma prisão chamada "Ilha do Diabo" em 1930, e Papillon (Steve Mcqueen),  tem essa alcunha devido a uma tatuagem que tem de uma borboleta, ele é  condenado à Prisão Perpétua a ser cumprida naquela inexpugnável prisão na Costa da Guiana Francesa, muito embora tenha negado veementemente o homicídio pelo qual foi sentenciado. Ninguém nunca conseguiu fugir daquela penitenciária, entretanto Papillon faz amizade com Louis Dega (Dustin Hoffman) um falsário, e em troca do apoio de Papillon às falcatruas de Dega, este ajuda na fuga de Papillon, detalhe: na hipótese de algum preso ser pego em  fuga, passaria 5 anos na Solitária. Papillon estudou o movimento das marés, e no momento oportuno lançou sua "jangada" improvisada ao mar, para liberdade.)






UM ESTRANHO NO NINHO

"Um Estranho no Ninho" e seu protagonista Mc Murphy (Jack Nicholson) só existe nas telas do cinema?!?
(No filme, o malandro Mc Murphy é preso e se finge de doido para se safar de ir fazer trabalhos forçados, então ao invés disso segue para um Hospital Psiquiátrico e lá ele apronta... Direção de Miles Forman e produzido pelo ator norte-americano Michael Douglas, rodado em 1975).








Ninguém é o que parece, nem Deus.
Érico Veríssimo





IMAGENS PELA ORDEM:

Fotografia Still por Isac Amorim
Montez Magno
Ismael Caldas
Reproduções cinematográficas(cartazes e filmes)