Follow by Email

terça-feira, 24 de maio de 2011

VERSOS DE MAIO - QUEM AMA COMETE LOUCURAS



      Suas imagens ressurgem definindo sua fidalga fisionomia, cheia de amor, cheia de beleza.




      Alguém me confidenciou sua agruras, sua profunidade em dissabores no diálogo com a Vida, sobre sua loucura, seus desencantos, todos seus traumas não cicatrizados, o misto existêncial que você carrega como uma cruz maternal, das entranhas do seu existir advém o pedido sagrado de ser mãe, seu sincero e tão diferente pedido,  de tudo difere  pois mexe conosco, envolve algo de arte e humanidade, vem de ti algo que o coração direto ouve e a mente traduz seu diário de intimidade, te traduz e arvora sua tensão, seus flagelos, sua vontade é testemunha metamoforizada de inclinações incompreendidas das suas angústias, não sem razão.


"No amor, um mais um é igual a um."
Jean-Paul Sartre
       Não posso analisá-las como frígidos freudianos psicanalíticos em gélidos divãs em busca da tua genuidade, essa sim, me apetece, me lança à imaginação de suas inclinações apreendidas, sabe-se lá onde. De libido extravagante, cheia de cio, de criar e recriar, de pugente e avassaladora gana que  te levam a pulsões de vitalidades em meio a dor e martírio de tuas raízes a te conduzirem ao mesmo degenerativo processo. Mas como você vai chegar em sua catarse maternal, senão através do amor. A repressão do impulso de observar e exibir os sonhos sexuais te mexem em profundas neuro-sarcolíticas, conduzem seu papel catártico, no fundo no fundo tu és uma flor, uma mulher, uma linda mulher, mas suas idiossincracias fizeram entendermos que a arte não é uma ilusão separada da vida real. Quem sabe Lolita de Nabokov aos 30 anos sabia de que se trata o assunto aqui ventilado...
          "Parece-me que na escala das medidas universais há um ponto em que a imaginação e o conhecimento se cruzam, um ponto em que se atinge a diminuição das coisas grandes e o aumento das coisas pequenas: é o ponto da arte."
Vladimir Nabokov
















          Meu amor você precisa da alcova de amor, da restituição da tua alcova de sentimentos, de carinhos, de tradição, de segurança, e sobretudo aquilo que mais te seduz...Que você bem sabe:  aos outros é alheio. Fostes forjada para cumprir teu papel, e agora? E agora meu amor?  Meus sentimentos te levarão a melhor parte da experiência do amor. Eu te busco e  ao contrário do  muito que você pensa;  sutis interações neurológicas e psicológicas ou químicas, não irão alterar as carícias que somente eu tenho para lhe dar porque simplesmente sou louco por você.


Olinda, 15 de maio de 2011



Difícil é amar uma mulher e simultaneamente fazer alguma coisa com juízo.
Léon Tolstoi
               

Nenhum comentário:

Postar um comentário