Follow by Email

terça-feira, 24 de maio de 2011

VERSOS DE MAIO - A SOLIDÃO




Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã.
Victor Hugo 



 













A solidão é a independência e o baque do coração.
Come a bomba-pronta e sua ogiva retrai o estar no mundo.
Meu sentimento torna-se admiração ao sólido dos limites imprecisos.
O que deixamos de ser na densidade noturna. Dissociados não estamos apenas sós
mas sobrecarregados de toda impureza mundana, insólitos e perplexos.
Buscar no íntimo a infinitude múltipla de amar e transpor incongruências na mitologia das cores,
o espectro de indiscerníveis conceitos sob bilhões de astros nos conduzirão sempre ao pó cósmico.


A ausência cura o amor.
Miguel Cervantes

As batalhas do cotidiano não sabemos nem sequer o porquê,
guerreamos incógnitos transes no estopim causados  em profunidades abissais,
carcomendo o interior d'alma,
sem sabedoria?
Sem sentimento algum?
Estamos sós.
É do fundo do poço donde somos mais amados.
Fica a última instância  da capacidade incomensurável que temos para amar...
Virei um mosteiro.



Olinda,  11 de maio de 2011




               

Nenhum comentário:

Postar um comentário